sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Produção de suínos e de aves alavanca exportações do Paraná e contribui para balança comercial brasileira

O Paraná ocupa o segundo lugar no ranking de maiores produtores de carne suína, atrás apenas de Santa Catarina (Foto: Reprodução/RPC)A produção agropecuária do Paraná é responsável 75% das exportações do estado e, em 2016, contribuiu com 13,54% da receita dos produtos do agronegócio na balança comercial brasileira. O crescimento foi alavancado principalmente pela exportação de carne suína e da carne de frango.
No estado, a região oeste é a mais forte nestas duas modalidades, acompanhadas pelo cultivo de soja e milho e na produção leiteira, fatores fundamentais para a cadeia produtiva.
No oeste do Paraná, estão em atividade mais de 1 mil aviários (Foto: Reprodução/RPC)“Existe uma alta concentração de produtores de aves e de suínos no estado porque temos insumos, nós temos a ração, que é origem do milho e do soja. Esta agregação de valor torna o nosso produto competitivo”, explica o presidente da Federação das Indústrias do Estado Paraná (Fiep), Edson Campagnolo.
Suinocultura
O estado é o segundo maior produtor de suínos do país, atrás apenas de Santa Catarina. E, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), a exportação de carne suína foi a que mais cresceu no volume de exportação de carnes paranaenses no ano passado, com quase 94 mil toneladas contra 65 mil toneladas em 2015.
A receita também teve alta. O levantamento do Agrostat/Secex indicou um aumento de 33% na receita, passando de US$ 148 milhões para US$ 197 milhões no mesmo período.
O principal mercado para a carne suína brasileira continua sendo a Rússia, com 34% de participação, seguido de Hong-Kong, com 22,8%. O país também é o principal comprador do Paraná. Outro mercado importante é a China, que voltou a comprar do Brasil no ano passado e ficou com o equivalente a 12,2% do volume exportado.

Satisfação do produtor
Nas propriedades do oeste paranaense, a boa projeção no mercado externo tem incentivado o aumento da produção e deixado muitos orgulhosos. Um exemplo é o do suinocultor Flávio Back, de Santa Helena, que começou com mil e já conta com 2,5 mil animais no plantel, que deve ser ampliado nos próximos anos.
“Eu tenho uma satisfação muito grande de estar aqui, de produzir alimento, de viver na roça, viver na agricultura. Não tenho dúvida que é o melhor lugar para se viver a vida”, aponta.
“Antes eu tinha vergonha de ser suinocultora. Agora penso que se não fosse eu produzir, o que seria do povo da cidade. Hoje tenho orgulho da minha profissão”, completa a esposa, Anelda Lúcia Back.
Além da quantidade, a qualidade também é levada em conta. “Desde o dia da chegada, até o último dia, o empenho do produtor é fundamental para que se tenha um animal de qualidade e uma carne de qualidade na mesa do consumidor”, observa o técnico de terminação de animais Gilson Crumenauer.
Avicultura
A avicultura também tem papel fundamental na economia do estado e representa quase 90% da exportação na cadeia de carnes. O Paraná permanece sendo o maior produtor – com 30% da produção nacional – e o maior exportador de carne de frango. O setor movimenta quase R$ 15 bilhões por ano.
Em 2016, as exportações aumentaram 4% em volume, mas tiveram queda de 2,12% na receita conforme o Agrostat/Secex e o Sindicarne-PR.
O estado exportou 1,5 milhão de toneladas de carnes de frango, contra 1,48 milhão de toneladas no ano anterior, uma alta de 4% no volume. Já a receita teve redução de 2,12%, caindo de US$ 2,36 bilhões, em 2015, para US$ 2,31 bilhões no ano passado.
No oeste do Paraná, estão em atividade mais de 1 mil aviários (Foto: Reprodução/RPC) No oeste do Paraná, estão em atividade mais de 1 mil aviários (Foto: Reprodução/RPC)
No oeste do Paraná, estão em atividade mais de 1 mil aviários (Foto: Reprodução/RPC)
Os principais destinos do frango paranaense são a Arábia Saudita, China, Emirados Árabes e Japão.
Apesar da ligeira queda no preço do produto no mercado internacional, os criadores continuam animados.
Há cerca de 15 anos na atividade, o avicultor Derivaldo dos Santos pretende aumentar ainda mais a produção. “Comecei em Santa Terezinha de Itaipu com um aviário, fui para dois e depois mudei de município, para São Miguel do Iguaçu, onde estou agora com três aviários em pleno funcionamento.”
Até o final do ano, ele pretende estar produzindo com mais quatro barracões com capacidade para 35 mil aves cada.

PF cumpre mandados de duas novas fases da Operação Lava Jato

Polícia Federal (PF) cumpriu 46 mandados judiciais de duas novas fases da operação - a 43ª e a 44ª em cidades de São Paulo e Rio de Janeiro na manhã desta sexta-feira (18). Seis pessoas foram presas temporariamente, entre elas está o ex-líder do governo Lula e Dilma e ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, que deixou o PT. Ele foi preso em São Paulo.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Vacarrezza é suspeito de receber cerca de US$ 500 mil em propina. Provas apontam que ele utilizou a influência do cargo em favor da contratação da Sargeant Marine pela Petrobras e que isso culminou na celebração de doze contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões, segundo os procuradores.
É a primeira vez que a PF realiza duas fases da operação ao mesmo tempo. As ações foram batizadas Sem Fronteiras e Abate, respectivamente.
Henry Hoyer de Carvalho, que é operador financeiro, e o irmão dele, que não teve o nome divulgado, foram presos no Rio de Janeiro. Os outros nomes ainda não foram divulgados pela PF.
Do total de mandados, seis são de prisão de temporária, 29 são de busca e apreensão e 11 são de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento.
As operações investigam os crimes de corrupção, desvio de verbas públicas e lavagens de ativos identificados em contratação de grandes empresas com a Petrobras.
Uma das operações foi batizada de Sem Fronteiras. Segundo a PF, o foco é a relação espúria entre executivos da Petrobras e grupo de armadores gregos para obtenção de informações privilegiadas e favorecimento obtenção de contratos milionários com a empresa brasileira.
A outra é a Operação Abate, que mira um grupo criminoso que era apadrinhado por um ex-deputado federal, cuja influência era utilizada para a obtenção de contratos da Petrobras com empresa estrangeira. Nesta relação criminosa, recursos foram direcionados para pagamentos indevidos a executivos da estatal e agentes públicos e políticos, além do próprio ex-parlamentar, segundo a PF.

A prisão temporária tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida para preventiva, que é quando não há prazo para deixar a carceragem.
Os presos serão levados para a sede da PF, em Curitiba.
Investigações sobre a Operação Sem Fronteiras
Segundo o MPF, as investigações tiveram início a partir de relato do colaborador e ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e se desenvolveram com a análise de materiais apreendidos na 13ª fase da operação.
Os procuradores dizem que Costa ajustou com o cônsul honorário da Grécia no Brasil, Konstantinos Kotronakis, um esquema de facilitação de contratação de navios gregos, mediante o fornecimento de informações privilegiadas e o pagamento de propinas.
Em um primeiro momento, o esquema era efetivado pela intermediação de Henry Hoyer de Carvalho e, depois, por intermédio de uma empresa de brokeragem constituída na Inglaterra e pertencente a Georgios Kotronakis, filho de Konstantinos, segundo o MPF.
"Dessa forma, os grupos Tsakos e Aegean, dos quais Konstantinos Kotronakis é, respectivamente, diretor e sócio-administrador, além das empresas Dynacom Tankers Management, Galbraiths e Dorian Hellas, com as quais o cônsul grego ostenta vínculos indiretos, formalizaram contratos de afretamento com a Petrobras, entre os anos de 2009 a 2013, em valores que superam US$ 500 milhões", disseram os procuradores.
Pelo menos 2% desses valores era destinado ao pagamento de propina para funcionários públicos corrompidos, operadores financeiros e agentes políticos, afirma o MPF.
Investigações sobre a Operação Abate
Essa investigação trata do fornecimento de asfalto para a Petrobras pela empresa norte-americana Sargeant Marine, que também teve início a partir do relato Costa. Foram colhidas provas adicionais a partir de buscas e apreensões da 1ª e da 16ª fases da operação Lava Jato, além de resultados de quebra de sigilo bancário, fiscal e telemático e de pedidos de cooperação internacional.

As provas apontam que Cândido Vaccarezza utilizou a influência decorrente do cargo em favor da contratação da Sargeant Marine pela Petrobras e que isso culminou na celebração dos contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões, segundo os procuradores.
O MPF também afirmou que a atuação de Vaccarezza ocorreu no contexto do esquema político-partidário que drenou a Petrobras e que ele agiu em nome do PT.
"Na divisão de valores das propinas, há documentos indicando seu direcionamento tanto para a “casa” (funcionários da Petrobras) como para o “PT”. Os valores então devidos ao partido, totalizando propinas de pelo menos cerca de US$ 500 mil, foram destinados em grande parte a Vaccareza, sendo possível que a investigação venha a revelar outros destinatários das vantagens ilícitas", disse o MPF.
Quer saber mais notícias do estado? Acesse o G1 Paraná.

MORREU EM 2015 Justiça exige que Google exclua fotos de Cristiano Araújo morto

Reprodução/InstagramO Google teve seu recurso negado e perdeu em segunda instância um processo judicial movido pela a família do cantor Cristiano Araújo, que morreu em junho de 2015, e terá de excluir de seus resultados de busca imagens e vídeos que mostram o artista morto. A sentença é fruto de um parecer unânime de desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás no dia 8 de agosto. Não cabe mais recurso à decisão.

O juiz Carlos Roberto Fávaro ordenou a "imediata supressão, bloqueio e/ou exclusão dos resultados de busca de suas ferramentas de pesquisas dos links e hash (espécie de número de série que identifica arquivos hospedados na internet) contendo fotos ou vídeos relacionados à imagem de Cristiano Araújo, com destaque para o procedimento da necropsia e do velório, bem como o bloqueio imediato de compartilhamento e novos envios", segundo o registro da decisão.

Se o Google não cumprir a decisão, terá de pagar R$ 10 mil de multa diária. "De todo o material que acompanha o pedido inicial e que demonstra de forma evidente a desnecessária exposição da imagem de pessoa inicialmente socorrida e posteriormente o seu cadáver, é claramente possível extrair indícios de que a propagação do conteúdo indicado ofende de maneira contundente direito subjetivo tanto do autor quando do seu falecido filho", justifica o juiz.

A decisão ainda ressalta que a exclusão do acesso às fotos e vídeos não caracteriza violação ao princípio de liberdade de expressão porque, neste caso, prevalece "a necessidade de proteção à imagem e moral da pessoa envolvida na informação compartilhada". Leia aqui a decisão completa.
Para Rafael Maciel, advogado da família do cantor, o tribunal reconheceu que há clara possibilidade técnica do cumprimento da medida, seja para remover os vídeos ou para bloquear os arquivos com a indicação de hash. "Em ambos os casos, tendo a localização inequívoca e não havendo a necessidade do serviço monitorar o conteúdo, há possibilidade técnica de cumprimento da medida conforme o Marco Civil da Internet." 

Cristiano Araújo morreu em 24 de junho de 2015, após sofrer um acidente de carro na BR-153, em Morrinhos (GO), aos 29 anos. Sua namorada, Allana Coelho de Moraes, de 19 anos, também morreu no acidente. Os dois estavam no banco traseiro do carro, quando o veículo saiu da pista e capotou. O motorista sofreu ferimentos leves. 

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Google Brasil disse que não vai comentar o caso.
Agência Estado

LONDRINA Após invasão, homens trocam tiros com seguranças do Ceasa

Dois homens tentaram assaltar a unidade do Ceasa de Londrina na noite desta quarta-feira (16), mas foram contidos pelos seguranças do local. Houve troca de tiros e os suspeitos fugiram, mas nenhum vigia ficou ferido.

O Ceasa não tem expediente noturno. Segundo o gerente do Ceasa em Londrina, Marcos Augusto Pereira, ao localizar os suspeitos, a equipe de segurança pediu a identificação da dupla, que não tinham. Eles, então, iniciaram a troca de disparos com os vigilantes, mas conseguiram fugir. "Nós estamos em uma área de dez alqueires e estamos sujeitos a tentativas de furto e roubo, como qualquer outro lugar. Mas não sei o que queria, qui só ficam algumas verduras e legumes para fora durante a noite", diz o gerente.

Equipes da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal foram acionadas, mas ninguém foi preso e, segundo Pereira, também não há suspeitos. Uma reunião com a equipe de vigilância nesta manhã deve levantar mais informações. "Mas o resultado mostra que eles estão cumprindo a função de proteger o patrimônio público e o privado", afirma


Redação Bonde

SUSPEITA DE HOMICÍDIO Corpo de mulher é encontrado em Jataizinho

O corpo de uma mulher foi encontrado na manhã desta quinta-feira (17), em Jataizinho (Região Metropolitana de Londrina). A vítima foi localizada na avenida Paraná, no Jardim Maria Júlia.

Segundo a Polícia Militar, apesar da suspeita de homicídio, ainda não se sabe como a mulher foi morta – o Instituto de Criminalística é aguardado para fazer o resgate do corpo. A PM conhece a vítima como Érica e diz que ela é conhecida por ser usuária de drogas.

ENTENDA Motoristas de Uber podem ter de pagar tributo à prefeitura

O vereador Rony Alves (PTB), autor do projeto que regulamenta o Uber, reuniu-se no final da manhã desta quinta-feira (17) com motoristas do aplicativo na Câmara Municipal de Londrina (CML). O objetivo foi debater os principais pontos e as eventuais adequações da proposta que continua com a tramitação suspensa. Para Alves, o texto só retorna à pauta depois que o assunto também for debatido com técnicos da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), na próxima segunda-feira (21). Uma das questões é que os motoristas podem ter de pagar tributos à Prefeitura de Londrina.

Rafael Machado/Grupo Folha

DEFESA VAI RECORRER Após 17 horas de julgamento, Zoza é condenado a 75 anos de prisão

Anderson Coelho/Grupo FolhaAcusado de mandar matar cinco pessoas em Londrina entre 2011 e 2012, enquanto cumpria pena em regime fechado, Edson dos Santos Rodrigues, o Zoza, foi condenado a 75 anos de prisão, num julgamento conturbado que começou por volta das 9h30 desta quinta-feira (17) e se estendeu para além das 2h desta sexta (18). Outros três réus no mesmo processo tiveram penas estipuladas entre 21 a 49 anos de detenção. Um quinto acusado está foragido.

Além dos homicídios, foram aplicadas penas por associação para o tráfico de drogas e corrupção de menores. Segundo o Ministério Público (MP), de dentro do presídio, Zoza teria dado a ordem para que os outros réus, integrantes da quadrilha que comandaria o tráfico de drogas no bairro Nossa Senhora da Paz, assassinassem criminosos rivais que agiam na mesma região. Quatro das cinco vítimas morreram. Zoza já cumpria pena pelo assassinato de uma criança de 11 anos e mais uma tentativa de homicídio.

Após ter a pena estipulada em 75 aos, Zoza foi transferido para um presídio de Londrina antes de retornar para a penitenciária de Mossoró (RN), onde cumpre pena atualmente.

A advogada Natália Karolensky, que defende Jeferson Rangel Arruda e Neverton Damaceno – condenados, respectivamente, a 49 e 48 anos -, garante que vai recorrer e pedir a nulidade do julgamento devido à condução conturbada.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Zoza.

(Colaborou Rafael Machado)
Luís Fernando Wiltemburg - Redação Bonde